17 de dezembro de 2010

Minha manifestação pública sobre o IPTU de 40%

A Tribuna, 12/12/2010

Praia Grande


O aumento do valor venal dos imóveis em Praia Grande, para automaticamente aumentar as despesas dos contribuintes com pagamento do IPTU, foi feito de forma covarde. Por que os vereadores permitiram que se marcasse para as 10 horas, de segunda-feira, para votar uma lei tão importante como a revisão da Planta Genérica de Valores? As sessões são às 20 horas, todas as quartasfeiras. Por que não foi feita audiência pública? Praia Grande deveria ter um dos menores impostos do Brasil. Grande parte dos contribuintes, mais de 70%, não mora na cidade e portanto não utiliza os serviços públicos como saúde, educação, limpeza pública etc. Se não bastasse isso, como o povo pode contar com a independência do Legislativo quando o próprio vereador confessa que tem cargos na Prefeitura e tem medo que seus indicados sejam demitidos? Que todos os eleitores de Praia Grande guardem os nomes de todos os vereadores, pois todos votaram a favor dessa excrescência.

FRANZ JOSEF HILDINGER -­ PRAIA GRANDE


4 comentários:

Lili Bolero disse...

É realmente vergonhosa a postura de certos políticos. Queria comentar que não entendi o objetivo da Prefeitura ao colocar um caminhão (prefixo 0330) com uma pessoa, sem qualquer equipamento de segurança, diga-se de passagem, em cima do veiculo com uma mangueira esguichando água no jardim das praias do Boqueirão até o Canro do Forte. Não sei de onde vinha o dito caminhão, mas, levando-se em conta que tem chovido nos últimos dias, inclusive choveu ontem, qual o própósito dessa medida? E a propaganda comendo solta para que economizemos água. Parece que a Prefeitura resolveu colocar todos os serviços em funcionamento hoje (domingo 19) já que no mesmo horário também circulavam pelo Boqueirão em direção ao Forte, duas kombis da fiscalização e duas motos dos agenters de trânsito. Só faltaram mesmo as viaturas da PM.

Anônimo disse...

Mais uma vez eu reitero o que já disse anteriormente, não existe nenhuma possibilidade de fazer uma denúncia no Ministério Público por mais este assalto?

Se for possível, podem contar comigo!!!!

Marcia

Franz Josef Hildinger disse...

Prezada Márcia,

Eu fiz uma pesquisa sobre o assunto e teríamos que se basear em algo para denunciar ao MP. O que seria admitido seria se provássemos que o intuito do aumento do IPTU tivesse uma conotação de CONFISCO que seria induzir o dono do imóvel a se desfazer do seu bem por não poder pagá-lo. Solicitei uma consulta sobre a mentira eleitoral ou estelionato eleitoral onde o político utiliza de promessas que depois não cumpre. Se você quiser já se adiantar, você pode fazer a denúncia pela Internet junto ao Ministério Público Eleitoral.

Anônimo disse...

Franz,

Te agradeço muito pela dica. Vou esperar o advogado aqui da empresa voltar de férias e vou perguntar à ele também.
Não vou me omitir sobre o caso e farei minha parte sim!!!!
Mais ou menos por volta de 2004 trocaram os velhos bancos da orla da praia no trecho do Jardim Real, só que colocaram todos virados para a avenida. Infernizei a prefeitura, querendo saber de quem foi a grande idéia. Quem vai a praia e quer descansar um pouco da caminhada não vai se interessar nem um pouco de ficar com as costas viradas para o mar. Foram inúmeros e-mails até que uma gentil funcionária me responde que a decisão foi tomada após pesquisa entre os frequentadores da orla. Dá prá acreditar num disparate destes????? Certamente, não tinham o que falar e acabaram inventando esta palhaçada.

Eles que me aguardem... o carnê nem chegou ainda, mas já estou preparada para o golpe. Não chega o desperdício desnecessário no condomínio e ainda mais este....

Como diz minha colega de trabalho: ninguém merece!!!

Quando eu tiver mais novidades sobre o caso eu te aviso. Vou aproveitar e copiar o folheto que você colocou em sua página sobre as promessas eleitoreiras e vou acessar o Ministério Público Eleitoral.

Desejo a você e sua família e a todos que acessam o blog Boas Festas e um 2011 repleto de paz e saúde.

Marcia