28 de dezembro de 2008

Mensagem de Ano Novo

video

TRANSCRIÇÃO DO VÍDEO

Olá Pessoal
Sou Franz, o responsável por este blog.
Eu gostaria de agradecer a todos aqueles que de forma direta ou indireta contribuíram e contribuem para que nós que moramos em praia grande possamos viver de forma decente e justa.

Agradeço então:
  1. Aos servidores da Prefeitura de Praia Grande;
  2. A Promotora de Justiça de Praia Grande, Mônica Magarinos Torralbo Gimenez;
  3. A Promotora de Meio Ambiente de Praia Grande, Luciana Shimmi Ide;
  4. Ao Promotor Eleitoral Carlos Cabral Cabreira;
  5. A Vereadora Rosana Perchiavalli Albuquerque Esteves;
  6. Ao Jornal a Tribuna;
Pelo incentivo e pelas críticas construtivas eu também agradeço:

  1. Aos leitores e participantes deste blog;
  2. A todos os usuários das comunidades no orkut sobre praia grande e em especial a todos os participantes da comunidade "Na Praia Grande tudo acontece";
  3. Aos colegas que trabalham comigo;
  4. A Cristiane de Andrade Carvalho jornalista responsável pelo site artefato cultural;
  5. E aos meus amigos aqui de Praia Grande;
A todos vocês eu desejo que 2009 seja um ano produtivo repleto de felicidades.

Ao o novo Prefeito e a todos vereadores de Praia Grande, espero que em 2009 consigam fazer um bom trabalho de forma que atendam as verdadeiras necessidades da população com qualidade e de forma econômica.

Em 2009 eu gostaria de convidar a todos vocês a participarem das sessões na Câmara de Praia Grande para que possamos acompanhar de forma efetiva o que os nossos representantes fazem por nossa cidade.

É importante também que sempre estejamos bem informados, por isso gostaria de recomendar a todos que lessem jornais de boa qualidade e acompanhem os noticiários de nossa Cidade nos telejornais locais.

E tenhamos fé - que em 2009 será melhor que 2008 para todos nós que vivemos nesta Cidade!

22 de dezembro de 2008

Os novos pontos de ônibus de Praia Grande

video

A Prefeitura de Praia Grande está instalando novos abrigos nas paradas de ônibus. Infelizmente alguns babacas não entendem que esses abrigos são da sociedade praiagrandense e não do pai deles. É importante a Prefeitura fazer a manutenção desses abrigos a fim de mostrar que o poder público existe. Eu gostaria que a polícia criasse um serviço tipo de disque-depredação onde uma viatura estaria sempre a disposição que se possa fazer o flagrante.



20 de dezembro de 2008

Pinos sendo removidos


Em 14/12/2007 eu reclamei desses pinos colocados para atrapalhar os ciclistas e cadeirantes que acessavam a ciclovia. Finalmente boa parte desses pinos foram removidos (mas no Caiçara tem muitos ainda para serem retirados - aqueles pequenos). Acima está um exemplo de um acesso "limpo".

15 de dezembro de 2008

Sujeira em Praia Grande (Povo o maior culpado)

video

Eu já cansei de reclamar da sujeira mas parece que ninguém se importa. Parece que o povo convive com a sujeira numa boa. Ao ver tanto lixo neste domingo, dia 14/12/2008, resolvi fazer a tour do lixo. Passei por vários lugares e dessa vez eu filmei e fiz comentários para tentar sensibilizar a população e as autoridades. E por favor, vamos todos ser mais limpos. E às autoridades eu peço que encontrem um jeito para pegar toda essa bagulhada porque do jeito que está, não está resolvendo.

13 de dezembro de 2008

Prestando Contas

Vou criar um espaço para reconhecer quando a Prefeitura resolve os problemas apontados afim de evidenciar que as vezes alguém lá se importa com as necessidades de nós aqui embaixo.

No dia 28 de setembro de 2008, sob o título Sadismo para com os deficientes físicos, eu publiquei várias fotos de estacionamentos reservados para deficientes - na av. Castelo Branco - que não eram adequados para atender essas pessoas com necessidades especiais. Vejamos as fotos abaixo.

As duas primeiras fotos mostram como estavam os estacionamentos. Percebam que não havia rampa para ao deficiente ir à praia.


Abaixo o problema resolvido. Podem ver que agora tem uma rampa que facilita o deficiente ir à praia pelo próprio esforço - sem depender de ninguém. Um bom serviço feito e em menos de três meses depois da publicação no Blog.

9 de dezembro de 2008

A culpa não é nossa

A princípio não é objeto deste blog falar de assuntos pertinentes a outra cidade que não seja Praia Grande, mas eu gostaria de tentar reparar um equívoco que boa parte da imprensa comete ao falar do caos no trânsito que acontece em todas as temporadas de verão.

No começo deste ano foi noticiado a angústia de quem veio "descansar" na praia e acabou passando o Ano Novo na estrada. A imprensa fez várias matérias sobre o assunto. Prefeitos prometeram se reunir para resolverem o problema. O governo do Estado e a Ecovias também apareceram sob a luz dos holofotes.

Nada foi resolvido.

Como usuário diário da Rodovia dos Imigrantes, percebo que há dois problemas. O primeiro é em São Vicente. O município não faz nada porque alega que o trecho está sob concessão da Ecovias. O segundo problema está ligado ao primeiro. Como existe um pedágio na Rodovia Padre Manuel da Nóbrega (área de São Vicente) para a Ecovias é negócio que o motorista passe por aquele trecho e pague o pedágio. Para São Vicente também é bom negócio que o motorista passe por lá e pague pedágio pois o imposto é o que mais importa para aquele município. Existe uma economia que gira em torno daquela trânsito, então o trânsito é interessande para muita gente como forma de ganhar um dinheiro extra.

Os motoristas que reclamam do trânsito também têm a sua parcela de culpa ao parar para comprar dos marreteiros.


As fotos acima são de São Vicente e foram tiradas ontem, dia 08/12/2008, ou seja, numa segunda-feira depois de um final-de-semana de muito sol. Imaginem quando chegar as festas de Ano Novo e Carnaval? Será que de novo os prefeitos, a Ecovias e o Estado vão se reunirem para não dar em nada? A imprensa deveria até economizar e passar os mesmos problemas do início deste ano porque vai ser a mesma coisa.


Como resolver o problema? Fazer o que Praia Grande fez: uma via rápida sem semáforos, sem possibilidade de pedestres ou ciclistas andarem pela mesma. Ônibus municipais também não passam pela Expresso Sul.

Há uma necessidade de que TODOS façam a sua parte. Praia Grande fez a sua, utilizando verbas do município, e São Vicente o que fez? Absolutamente nada. E a Ecovias? Nada. O governo do Estado, nada!

No trecho da Rodovia dos Imigrantes que corta São Vicente o motorista vai encontrar lombadas, semáforos desregulados, pedestres (que não usam das passarelas), ciclistas, ambulantes com carrinhos, gente pedindo esmola, animais, pontos de ônibus, ônibus parando para pegar usuários, caminhões, e de vez enquanto assaltantes (já presenciei um motorista sendo assaltando na minha frente).

Quando você ver, ler ou ouvir na imprensa que o trânsito está parado em Praia Grande, tenha certeza que o motivo não é a nossa cidade e sim lá à frente no seu percurso de volta à São Paulo.

8 de dezembro de 2008

Prática condenável


Uma coisa comum em Praia Grande é alguém construir um prédio ou fazer uma reforma utilizando a rua para misturar o cimento. A obra acaba e fica esse borrão branco na rua. Nesta foto podemos ver que o que estou dizendo é uma regra, ou seja, todo mundo faz isso. Bem que poderia existir uma lei que coibisse essa prática e uma prefeitura que fiscalizasse e fizesse cumprir essa lei. Pior que esses borrões no meio do preto do asfalto não saem. Coisa de terceiro mundo mesmo. Bom, por que estou reclamando? Vivemos no terceiro mundo.

29 de novembro de 2008

O Blog está fazendo um ano

Nosso primeiro aniversário

No dia 29/11/2007 foi publicada a primeira foto que deu origem a esse blog que vocês estão lendo. Inicialmente foi um protesto que fiz pois passei por anos no mesmo local (a Ciclovia) e via que ninguém fazia nada para fechar um buraco que ali estava sempre olhando para mim. Na época eu não tinha máquina fotográfica e consegui uma emprestada para fazer a reclamação no Jornal A Tribuna porque no site do havia (e há) um serviço chamado Foto-Leitor para receber e publicar fotos que os leitores enviam para lá a fim relatando uma curiosidade para dividir com os milhares de internautas que passam por lá. Então fui até o local para tirar a foto do buraco mas enquanto eu estava pedalando pela ciclovia encontrei tantos problemas (que expus aqui) que achei que a Tribuna não iria publicar tudo que eu tinha para reclamar e resolvi criar um Blog pois um monte de gente utilizava esse serviço como um meio de manifestar sobre tudo, e reclamações também. Então um dia me meti a tentar fazer um blog e lendo sobre blogs no Google, percebi que era o mesmo que editar um texto e num dia já sabia quase tudo sobre blogs.

Blog pronto, era preciso fazer com que alguém saiba que ele existe para conhecê-lo. Escrevi para a Tribuna contando a existência do mesmo e não deu outra: no dia 06 de janeiro de 2008 foi publicado na contra capa do Jornal informando da existência do blog na coluna Dia a Dia e por causa disso choveu de gente escrevendo e telefonando fora o pessoal onde trabalho (mais de 4.000 funcionários) que queria saber o endereço e participar. Nesse mesmo mês que foi publicado na Tribuna, eu enviei um e-mail ao apresentador do programa Manhã Bandeirantes da rádio Bandeirantes, José Nello Marques, que entrou no blog e fez vários comentários positivos ao vivo sobre o trabalho e muitos ouvintes perguntaram o endereço do mesmo e assim aumentou mais ainda o tráfego no blog.

Histórias à parte, entendo hoje que o blog tem dois objetivos:

1º) Levar ao conhecimento da população dos problemas que a cidade tem de forma clara e objetiva através de fotos para que não pairam dúvidas sobre o que se mostra e comenta aqui.;

2º) Sensibilizar as autoridades competentes dos problemas existentes a fim de que tais problemas sejam solucionados.

O segundo objetivo é o mais difícil porque não depende de mim e sim da vontade do Administrador. Destaco aqui que obras importantes foram feitas e estão sendo feitas para minimizar a angústia daqueles que sofrem pelas situações precárias apontadas neste blog.

Pude perceber que a Prefeitura não é culpada por tudo que acontece em Praia Grande, mas sim a SABESP. Quando isso acontece, essa empresa demora para dar uma solução, e se ninguém reclamar, aí que não fazem nada mesmo. Acho que a Prefeitura deveria encontrar uma forma de acionar a SABESP, acredito que judicialmente, através de seus procuradores, a fim de que a SABESP resolva questões de sua alçada ou mesmo, a Prefeitura poderia fazer o serviço e mandar a conta para a empresa (não sei se isso é possível). O que não pode é não fazer nada. Muitos problemas acabam dando origem a outros problemas - como é o exemplo na ciclovia na Vila Mirim em frente da piscina coberta. O buraco que está naquele local há mais de um ano deu origem a outros buracos na ciclovia e está rachando a calçadãop dos dois lados.

Por que só reclamo?

O motivo para eu só reclamar é porque já tem quem faça propaganda para enaltecer a Administração e a Praia Grande. No site da Prefeitura, obviamente não se encontram os problemas aqui expostos. Existem ainda as propagandas, os anúncios em jornais e revistas sobre a Praia Grande.

O orçamento da Prefeitura para 2009 será de mais de quinhentos milhões de reais. Portanto, para que vou ficar enaltecendo o trabalho dos políticos de Praia Grande se eles já contam com milhões de reais para gastar em publicidade e propaganda?

E quem sou eu? Apenas alguém que viveu na Europa que sonha ser possível implantar nesta cidade um sistema de qualidade máxima onde até os mínimos detalhes que possam aborrecer a população seriam encontrados e corrigidos de forma rápida e econômica.

Qual o meu orçamento para fazer este Blog? Minha força de vontade de se exercitar andando de bicicleta (depois quando chego do trabalho) e uma máquina fotográfica que custa por volta de duzentos reais.

De que adiantaria então eu pegar o pouco tempo que tenho livre para sair por aí bajulando os políticos daqui se eles não cooperam com a sociedade?


Enquanto existirem problemas, vou reclamar.
Não terei o que reclamar quando não houver problemas.

Sem crise pois o Natal está chegando.

26 de novembro de 2008

Incompetence Tour

Desculpem-me pelo estrangeirismo, mas é tão óbvio que a tradução é dispensável. O que seria Praia Grande sem os factóides para sair na imprensa? Palácio, cartódromo, sambódromo, piscina coberta, botica (peixaria) de peixes, pista de aeromodelismo, etc. tudo aparece na imprensa. O que não aparece é o sofrimento diário da população e dos turistas em Praia Grande.

Como todos sabem, Praia Grande está cheia de crateras. Cheguei até a escrever que a própria cidade está afundando e cada dia que passa mais me convenço disso. Mas estava falando do Incompetence Tour e como a cidade tem vocação turística, fica essa idéia de mostrar ao povo, ao turista o que não se deve ser feito numa cidade para não afastar investidores em potencial (vide compradores de imóveis).

Para quem quer conhecer a incompetência de forma explícita, eu sugiro que conheçam o quadrilátero da barbaridade que fica na Vila Tupi. Começa na rua Presidente Sarmiento, passa pela Acaris, segue pela Timbiras até a Av. Dr. Roberto de Almeida Vinhas (chamam-na de Marginal). Se você conseguiu finalizar esse rally sem nenhum dano em seu carro, bicicleta ou em seu salto, você pode ir até a delegacia e fechar o quadrado caminhando até a Av. Castelo Branco.

O vergonhoso dessa história que ninguém faz nada. Vocês podem ver que o mato está crescendo dentro dos buracos. Isso está do mesmo jeito há anos. Perguntei para alguns zeladores nesses locais e disseram que foi a SABESP. Mas o povo quer saber se essas centenas de buracos são federais, estaduais, municipais ou da SABESP? E quando chove, esses buracos ficam cheios d´água e o motorista que não tem o mapa "dos campos minados", acaba levando prejuízo.


Como sugestão faça o que eu faço. Toda vez que um buraco desses me prejudica, eu digo - Maldito seja o Prefeito (dizer o nome) ou também - Maldito seja o Vereador (dizer o nome). Isso funciona e faz você lembrar o nome deles para não votar sempre nos mesmos políticos a cada eleição.

24 de novembro de 2008

Implantação de selo de garantia nas embalagens

Parabéns à Câmara de Praia Grande e ao Prefeito. É uma iniciativa excelente para melhorar a qualidade dos produtos, proteger o consumidor, e, trazer para a legalidade todas essas empresas que atuam em nossa cidade. Eu só espero que essa lei "pegue" porque muitas leis ou parte delas não pegaram, basta ver o Código de Posturas, Código de Obras, não deixo de fora nem a vigilância sanitária. Eu coloco a mão no fogo pelos fiscais que passaram comigo no concurso de 2002 quanto à vontade de trabalhar. O que espero, é que haja vontade política para aplicar a lei, e aplicar para todos e não só para aqueles que não são amigos do rei! Seria importante uma reportagem paga para informar os comerciantes porque não creio que todos lêem a parte oficial da Tribuna ou do site. A Prefeitura poderia informar através de mala direta esse pessoal (manda o informativo através do IPTU que eles vão gostar...).

Lei Nº 1412
DE 24 DE OUTUBRO DE 2008

"Dispõe sobre a obrigatoriedade de implantação de selo de garantia nas embalagens de alimentos para pronta entrega no Município da Estância Balneária de Praia Grande, e dá outras providências"

(Projeto de Lei nº 24/08 do Vereador Márcio Rodrigues de Carvalho Barros - PR)

O Prefeito da Estância Balneária de Praia Grande, no uso das atribuições que lhe são conferidas por Lei,

Faço saber que a Câmara Municipal em sua Trigésima Segunda Sessão Ordinária, realizada aos 15 de outubro de 2008, aprovou e eu promulgo a seguinte Lei:

Art.1º. Ficam as pizzarias, restaurantes e demais empresas sediadas no município, que fazem entrega de alimentos para o consumo imediato, obrigadas a usarem selo de garantia de qualidade e lacre destrutível nas embalagens de entrega.

§ 1º. O selo de garantia de qualidade e lacre destrutível de que trata o "caput" deste artigo é aquele que não pode ser removido, é o lacre inviolável da embalagem.

§ 2º. O selo de garantia de qualidade e lacre destrutível deve conter a expressão: "se o lacre estiver violado o produto deverá ser devolvido".

Art. 2º. Os estabelecimentos mencionados no art. 1º que infringirem o disposto nesta Lei ficarão sujeitos às penalidades estabelecidas pelo Poder Executivo, quando de sua regulamentação.

Parágrafo único. O prazo para o enquadramento desses estabelecimentos às disposições desta Lei será de 120 (cento e vinte) dias.

Art. 3º. As despesas decorrentes desta Lei correrão por conta de dotações orçamentárias, suplementadas se necessário.

Art. 4º. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação, revogadas disposições em contrário.

Palácio São Francisco de Assis, Prefeitura da Estância Balneária de Praia Grande, aos 24 de outubro de 2008, ano quadragésimo segundo da emancipação.

ALBERTO PEREIRA MOURÃO
PREFEITO

Reinaldo Moreira Bruno
Secretário Geral do Gabinete

Registrado e publicado na Secretaria de Administração aos 24 de outubro de 2008.

Ramiro Simões Viera Malho
Secretário de Administração

Proc. nº 20.761/08

21 de novembro de 2008

Para depois não dizer que não sabia

Depois de tanta luta, chegou a sua vez de ter um imóvel na praia. Então você escolhe Praia Grande porque fica sabendo de palácio, de cartódromo, de shopping, de ginásio e claro, uma praia. A grana que você tem dá para comprar um bom apartamento, de preferência com uma boa vista. Então você encontra o apartamento tão sonhado, com vista para a Serra do Mar, perto de praças, no meio das avenidas principais (Kennedy e Castelo Branco). Na primeira vez que você vem, você pega aquela chuva. Ruas inundadas, saquinhos de merda de cachorro boiando para todo lado, mas você acha que um caso isolado, uma exceção. Na outra vez que você vem, a sua filha é assaltada e levam a bicicleta e o celular dela. Você é otimista e pensa: - Pelo menos não fizeram nenhum mal à menina. O tempo vai passando e entre vindas e idas, repara que as ruas estão esburacadas, as praças não possuem lixeiras, roubaram as bicicletas do bicicletário de seu prédio, as calçadas estão todos desniveladas e o ISS caro pra caramba! Você já começa a questionar que inferno de lugar é esse. Um dia, você acorda com um bate-estaca que não sabe de onde surgiu mas de cara imagina que coisa boa não é... A foto abaixo é uma típica situação que acontece como regra (exceto se você tiver apartamento de frente para a praia). Mas se você não crê nisso, e acha que amar é ser cego mesmo quando sua esposa o trai, não culpe o sofá onde sua esposa se deitava com ele, culpe a si mesmo por não ter percebido antes o que estava acontece, pois talvez daria para ter salvo o casamento. Praia Grande também é isso e muito mais.

17 de novembro de 2008

Calamidade na Av. Presidente Kennedy

video

Dizem que uma imagem vale por mil palavras. Na minha opinião um vídeo vale por um milhão delas. A chateação permanente do povo deve continuar haja vista que torraram toda a nossa grana (que pagamos de impostos) em estátuas, palácios, cartódromos, sambódromos, piscinas cobertas, peixaria. Agora quero onde vão arrumar dinheiro para desentupir bueiros, limpar esgotos, fechar buracos, consertar calçadas, limpar córregos, roçar o mato, combater os mosquitos, limpar a praia, e por aí vai. É um soco na boca do estômago da população que se penitencia nesse umbral.

13 de novembro de 2008

Bueiros entupidos irritam a população


Venho repetindo aqui a minha preocupação em se gastar dinheiro público com o que não é prioridade para a população de Praia Grande. Gasta-se milhões com o Palácio das Artes mas não tem dinheiro para atender o cidadão que paga seus impostos. Exercer o direito e ir e vir com qualidade, "seco", sem precisar desviar de buracos ou pular água de esgoto é um caminho árduo. Percebam na foto acima um ponto de ônibus na Av. Presidente Kennedy. A regra são pontos de ônibus como esse: sem abrigo, sem banco, para idoso ou deficiente, e chão batido (lama quando chove).


Acima uma típica cidadã praiagrandense sofredora. Ela desceu do ônibus e o ponto estava alagado. Andando na lama com água até os tornozelos teve que se virar para chegar até a Galeria Tupi onde vários empresários investiram muito dinheiro. O empresário que vem a Praia Grande é enganado. Acha que existe aqui prefeito empreendedor, palácios, encubadoras, infra-estrutura, etc., mas depois que investe percebe que cliente não chega ao seu estabelecimento. De que adianta só construir, dar dinheiro para empreiteiras se depois não se faz a conservação do patrimônio público?



A Administração não se preocupa com aquele que chega cansado do trabalho, da escola. O cidadão quando chega a Praia Grande sente como se estivesse chegando numa cidade administrada por sádicos que querem rir daquele que precisa dos serviços públicos funcionando. Pior mesmo quem chega de ônibus lotado e quando vai descer se depara com essa lama toda. Eu não sei como essa gente ainda consegue ser reeleita!

Ano que vem tenho como meta participar da sessões da câmara. Espero que essa gente mude para um horário (noturno) para que quem trabalha possa ir lá participar - nada de se esconder do povo, senhores vereadores!

10 de novembro de 2008

Nasce um buraco


Novo buraco acaba de nascer na Castelo Branco. Fica bem na frente do Ocian Praia Clube. Notem que acabaram de asfaltar e o asfalto já saiu. Será que esse serviço tem garantia? Que baixa qualidade é essa! Se fosse isso que estou mostrando para vocês uma exceção, vá lá, mas o problema é que isso é a regra. E nem me venham falar que é por causa do tráfego de caminhões, carros, etc. Na ciclovia, onde só passa bicicletas, o asfalto esfarela como uma farofa. Pior que tudo é caro e quem paga esse serviço de porco somos nós.

Enquanto isso, àqueles que acreditam na ordem e no progresso, segue para a honra praiagrandense o orgulho de nossa bandeira.





4 de novembro de 2008

Inteligência subestimada

Quando escrevi o artigo "Sadismo para com os deficientes físicos", eu não estava brincando. Cliquem no hyperlink para ler de novo o que escrevi em 29/07/2008. Percebam que levei a público aquela denúncia bem antes da eleição. O que fizeram? Começaram a abrir uma passagem para o deficiente físico acessar o calçadão. Como já tenho um certa experiência do modus operandi da Prefeitura, resolvi aguardar para ver se a reforma era mesmo para valer.


É desanimador quando percebemos que nossos próprios representantes tenta nos enganar. Passou o pleito, o candidato do governo foi eleito, e a obra está aí, por fazer, como vocês podem observar. É muito chato quando alguém, principalmente do governo que é sustentando por nós, tenta subestimar a nossa inteligência. Por que vocês acham que estou dizendo isso? Porque só fizeram isso no lugar que documentei aqui através de fotos. Como eu disse antes: "É o fazer sem pensar", isso tem uma profundeza maior do que meras palavras. Isso quer dizer que de forma caótica é administrada esta Cidade. Um erro não existe, o que existe é uma seqüencia de erros. Neste caso, há vários estacionamentos, provavelmente todos, com o mesmo problema.


Abaixo o mesmo problema num outro lugar que fica na Castelo Branco 6.628.


Abaixo o mesmo problema, agora na Castelo Branco, 7.260.


Vejam que lugar bonito abaixo, mas deficiente não tem vez aqui. Castelo Branco, 8.014.


Eu tenho uma sugestão para nosso novo prefeito municipal. Aproveite essas edificações para atender o público como os centros de vivência, de atendimento ao turista, mesmo as clínicas municiais e a própria prefeitura para receber reclamações da população. Não tenham medo das reclamações. Recebam-as com prazer e resolvam esses problemas. O próprio povo poderia fiscalizar de graça para o prefeito. Na minha cabeça não passa que há um complô da municipalidade para atormentar o munícipe. O que há, na minha opinião, é a tolerância ou negligência para problemas que a primeira vista são de pouca importância. Eu afirmo aqui não sou filidado a qualquer partido político, não aceito qualquer cargo na Prefeitura de Praia Grande até porque tem gente o suficiente lá e sou muito feliz no meu emprego.

É preciso comando. É preciso se interessar pelo dia-a-dia do cidadão. Administração Pública é uma ciência muito mais complexa do que se pensa por que se trata de lidar com o bem estar da sociedade, de seres humanos, e ao mesmo tempo do meio ambiente. Governar cidades não é para qualquer um, mas no Brasil, infelizmente, vota-se com emoção e não com a razão. A capacidade intelectual é sempre suplantada pela capacidade financeira que o candidato está disposta a gastar com um marqueteiro.

30 de outubro de 2008

Quem foi Jamil Issa?

Uma curiosidade para vocês. Rua Jamil Issa. Alguém sabe quem foi Jamil Issa? Teria sido um cientista que descobriu a cura para alguma enfermidade? Será que ele foi alguém parecido com Madre Tereza? Será um Duque de Caxias esquecido da história nacional? Quem sabe foi aquele que acabou com a corrupção em algum município! Eu não sei quem foi Jamil Issa, mas quem é Jamil Issa Filho eu sei, você sabe, todos nós sabemos. Basta escrever no Google o seu nome que a sua vida aparece. Para poupar você, leitor, do trabalho, eu já pesquisei. Jamil Issa Filho. Pode clicar no nome dele e você já matará a sua curiosidade.

Nessa Praia Grande há tantas histórias. Gente esforçada que não tem Ferrari, que pega ônibus 5 horas da manhã, vai trabalhar, depois vai estudar, e quando está chovendo então? A única alternativa é ficar num ponto de ônibus sem abrigo, muitas vezes na lama, torcendo por um ônibus vazio que sabe que nunca pegará. Tantos trabalhadores, estudantes que mereceriam ter seus nomes nas ruas de Praia Grande, mas, por não representarem nada ao sistema, são apenas números que só são cortejados nas eleições. O Brasil é um país de contrastes mesmo, e a inversão de valores faz parte de nossa cultura. Enquanto houver isso, teremos políticos usando de um poder concedido pelo povo para trabalhar em prol deste povo, mas que usa esse poder para tudo, até para prestigiar familiares cuja importância é pífia para a sociedade que lhes sustenta para nada.

25 de outubro de 2008

Serviço de Porco


A Prefeitura, provavelmente, como sempre, deve ter contratado uma empresa terceirizada para colocar essas placas com nomes de ruas. Provavelmente, também, como sempre acontece, isso deve ter saído por alguns milhões... Pelo menos, vendo o que se posta aqui referente aos gastos do poder público, tudo sai por preço exorbitante ao contribuinte ( é a gente que paga isso, diga-se de passagem).

Depois desta introdução, vamos ao que eu analisei in loco sobre o referido tema.

Por favor, voltem à imagem de cima e verifiquem onde está a placa que sinaliza o nome da rua.

Agora abaixo, o mesmo lugar sobre um outro ângulo.

Acredito que todos já entenderam o que está acontecendo. Trata-se de um serviço muito mal-feito. Pensando bem, não devem ter gastado um milhão ou mais para fazer isso. Nem foi previsto colocar um poste na esquina para suportar essas placas. Utilizaram somente os postes da CPFL. E mais, vejo que existe um tipo de serviço para "inglês ver" porque só colocaram essas placas na Castelo Branco, mas aqui para dentro dos bairro, não vi uma placa se quer. Bom, acho que esse serviço não deve ter saído mais do que cem mil reais (espero que bem menos).

Vamos continuar a minha saga que começou ontem, sexta-feira.

A foto abaixo mostra uma coisa diria inútil que mais desinforma do que informa. A placa está no meio de um quarteirão. Então, não dá para saber a que rua ela se refere. Caso alguém vier de automóvel e encontre essa placa que está escondida atrás de um poste, só vai conseguir ver o nome da Castelo Branco pois um outro poste está tapando o nome da rua adjacente. Ou será que a rua fica dentro do prédio? Coisa de louco!


Para vocês não acharem que estou brincando ou que o fato acima é uma exceção, vejamos a foto abaixo.

Outra placa no meio do quarteirão apontando uma rua que se fosse seguir a lógica da indicação da placa, a rua ficaria dentro da sorveteria. Conseguem vê-la ao lado do orelhão?


Abaixo temos outra foto agora indicando que a rua fica dentro da casa. Isso é ou não é um serviço de porco?


Abaixo, no bairro Ocian, temos o esqueleto (não é aquele que está no armário do Palácio Francisco de Assis) do poste onde ficavam as antigas placas. No fundo, no poste, vejam que está a nova placa lá pendura num lugar que, convenhamos, não dá para o motorista ver.


Como sempre, gostaria de dar a minha opinião sobre isso. O que vemos aqui é uma falta de controle de qualidade que nos dá motivos de enfiar a cabeça na areia de vergonha. Não são dois, três, dez exemplos. Sou capaz de encontrar várias dezenas de serviços mal-feitos como esses.

Nossa cidade transformou-se numa indústria de factóides que só ajuda a políticos inescrupulosos a se promoverem através da exposição na mídia. Eu lamento profundamente que tenhamos uma imprensa cega ou corrompida que apressa-se a divulgar inaugurações que nada servem a grande parte do povo praiagrandense. Quanto custa para que não se fale ao povo das mazelas desta cidade? Basta andar num quarteirão em qualquer lugar do município que as aberrações serão vistas por todos os lados! Infelizmente uma grande parte da população não tem acesso à informação e pelo alto grau de miserabilidade em que se encontra, vai votar com a barriga vazia esperando um prato para saciar a fome depois de vender o seu voto. É preciso mudar, e essa mudança começa pela população que paga caro pelos imposto. Não podemos mais esperar que esses políticos que estão aí venham resolver os nossos problemas pois estão ocupados a resolver os problemas deles... É preciso se unir de forma séria (sem querer tirar vantagem política) e exigir mais de retorno por cada centavo que nós deixamos nos cofres da prefeitura de Praia Grande. É preciso se indignar. Reclamações devem ser feitas como faço aos jornais. E se o jornal local está corrompido, vamos aos jornais sérios da capital. O que não podemos é ficar prostrados atrás de um monitor de computador sem fazer nada. Recomendo àqueles que queiram fazer algo que conheça as comunidades sobre Praia Grande no Orkut e participem delas.

7 de outubro de 2008

De Volta ao Inferno


Depois das promessas eleitoreiras, temos que, infelizmente, retornar à nossa realidade pois o inferno continua! Sempre com atenção à proposta deste Blog, mais uma vez relato o descaso para com o patrimônio público. Acima temos o exemplo da regra da conservação municipal. No bairro da Vila Mirim, perto da prefeitura e bem na frente do piscinão que o povão não vai, temos o retrato da má vontade pública.

Como vocês podem ver, o calçadão está sendo engolido pelo mato que cresce pelas beiradas das pedras do piso.


Eu tenho dúvidas se esse piscinão irá para frente haja vista que a falta de conservação da coisa pública neste município é notória.

Na frente desta piscina coberta, existem vários buracos, já contei sete. Já reportei sobre o mesmo a vocês há quase um ano atrás, e ninguém fez nada ainda. Está tudo muito pior. Dentre os buracos relatados, chama a atenção esse aí em baixo. Vejam que é um buraco público que nada tem a ver com a natureza. Provavelmente roubaram a sua tampa e agora o povo o usa como lata de lixo. Vergonhoso.


Quem tiver interesse, pode ir lá conhecer essa aberração administrativa. O "buraco-tour" está lá vinte e quatro horas por dia. Leve a família, mostre aos amigos. Quem sabe juntos poderemos lutar para que nossos políticos trabalhem e mereçam o salário que ganham.


4 de outubro de 2008

Em quem eu vou votar?


Ontem foi jogado em todas as moradias de minha rua, aqui na Tupi, um envelope com os dizeres: "Antes de votar, assista este DVD". E assisti... Cheguei a conclusão de que entre os candidatos disponíveis, não tem nenhum que vai me representar.

Por que tanta ânsia pelo poder?

Gasta-se milhões numa campanha e para que? O que está por trás disso? Por que tem tanta gente pensando no povo de Praia Grande?

Pobre povo que se deixa enganar. Miserável que é, contenta-se com os farelos daquele que ficou rico, graças ao voto do pobre, que come confortavelmente com sua família, do bom e do melhor, graças ao dinheiro que vem dos cofres públicos, e, quando sacode a toalha de mesa em sua janela, lá vão os pobres de alma e dinheiro festejar e agradecer a ele pelo resto que lhe alimenta e por isso, em todas eleições vota, que dá dinheiro a esse político rico, que como todos sabem, que eleger um, é dar emprego para toda a família desse eleito, para todos seus amigos, para todos comerem bem, e, o eleitor, continuar a juntando as migalhas, sacudidas na janela, para se alimentar de um resto de comida, comprada com seu dinheiro e seu suor, mas, mesmo assim, continua votando nos mesmos de sempre.

Vendo esse DVD, muitas coisas me chamaram a atenção. Entre elas percebe-se uma funcionária sendo assediada, moralmente e sexualmente. Constrangida, a funcionária, concursada ou comissionada, mal conseguia falar, com aquele ricaço que graças ao povo, esteve lá, fazendo o diabo, tudo com carta branca do eleito, do santo que se ajoelhava a Deus, mas tinha pacto com o diabo. Mas quem jogou esse DVD aqui quer o que? O poder? Só pode ser porque ninguém gasta esse dinheiro pensando no povo.

Infelizmente amanhã terei que trabalhar nas eleições. Será um dia cruel ver aquele povo se espremendo nas filas, obrigados a votar, obrigados a eleger aquele que terá em suas mãos o poder da caneta para nomear amigos e parentes, para então mais uma vez sacudir as migalhas aos seus eleitores até que na próxima eleição, os mesmos estarão de novo, fazendo as mesmas coisas e recebendo os mesmos votos e por quatro anos veremos o praiagrandense reclamando da saúde, da educação, do transporte, da segurança, etc.

Vou anular o meu voto.

28 de setembro de 2008

Sadismo para com os deficientes físicos


Este suposto estacionamento para deficientes físicos está localizado bem na divisa da Vila Tupi com a Cidade Ocian, bem na frente do número 6.802 da Castelo Branco. De estacionamento para deficiente não tem nada como você vai perceber.


Tente se colocar na posição de um deficiente físico. Imagine você, um deficiente físico, talvez um cadeirante, chegando de carro em Praia Grande. Andando pela Castelo Branco, encontra um lugar para parar seu carro pois o aviso diz que é um estacionamento para deficientes. Então você estaciona ali, desce com sua cadeira e fecha a porta do carro. Você olha para a esquerda, para a direita, para a trás e não encontra um lugar por onde possa acessar o calçadão e adentrar à praia. Mas você é percistente, acredita que o governo não erra (muito). Alguém deve ter deixado um lugar para você, deficiente, chegar à praia. Então você vai empurrando o pneu da sua cadeira e chega à avenida. Entre ônibus, caminhões, carros e motocicletas você olha e nada encontra de acesso. "Uma rampinha só já estaria de bom tamanho", você pensa. Você volta para seu carro e não sabe se entra no carro ou se pede uma ajuda. Você que pensou que o governo trabalha em prol do povo começa a se lamentar de ter parado numa cidade tão inóspita, tão gozadora daqueles que necessitam de cuidados especiais. Algumas pessoas que passam percebem que você está lá aflito e oferecem uma ajudinha. Duas moças e dois rapazes, cada um pega um lado da cadeira e o levanta até chegar a ciclovia e você pede para que o deixe lá que dali você se encarrega... Mas engano seu.


Depois do calvário para chegar à ciclovia, você não vai encontrar nenhuma rampa para chegar ao calçadão. Sabendo que esse é um problema menor, você sabe como ninguém a se equilibrar. Então levanta as duas rodas da frente da sua cadeira, e com impulso tenta subir com as outras duas de trás. Só que não dá certo e você cai de costas. Mais uma vez você naquela de condição de meio ser-humano é ajudado por populares e a sua idéia de independência do deficiente em uma cidade racional é desfeita e o pensamento da realidade de que você é apenas um peso para as autoridades vem à tona (embora você pague o mesmo imposto ou mais do que os outros).

Praia Grande é isso. É o fazer sem pensar. O fazer sem querer fazer porque só faz porque a lei obriga. Enquanto se gasta com obras desnecessárias, o necessário é jogado para segundo plano - para ser feito se sobrar algum dinheiro. O povo que caminha todos os dias por essa cidade, é maltratado, absurdamente maltratado diga-se de passagem (de desnível, claro).

16 de setembro de 2008

Esperando o Ônibus na Lama


Nossa leitora Ana Beatriz está indignada com o descaso das autoridades municipais. Na Vila Caiçara, onde os pobres mortais pegam ônibus, vulgo ponto-de-ônibus, está limitado a uma placa no poste, barro nos pés, e claro, um lixão bem na frente de onde seria o Parque da Mônica, hoje mais conhecido como Ratolândia.

As fotos que a cidadã me encaminhou são bem interessantes e mostram a seqüência de como ocorreu o fato. Primeiro percebe-se um buraco no barro (chão batido quando está seco). Veja a foto acima.


Se as autoridades procurassem mais um pouco viriam que o ponto-de-ônibus "saiu andando" e agora está largado não mais que 4 metros da distância do seu buraco.


Na foto acima temos o cenário completo. O buraco no primeiro plano. Lá embaixo há a placa que colocaram no poste para indicar que ali é pára ônibus e serve de estacionamento de carros.

Reparem contribuintes! Isso que estou mostrando não é a exceção mas sim a regra como provo para vocês neste Blog. Pensem comigo. O aluguel do material de construções é de R$ 50.000,00/mês. Quantos abrigos para os cidadãos de Praia Grande poderiam haver com essa grana toda? Quantos buracos fechados? Quantas calçadas? Quantos playgrounds poderiam ter brinquedos para as crianças? Vejam que coisa ruim isso: vamos pegar esse dinheiro gasto num mês e multiplicá-lo por 12 para se saber quando gasta-se por ano: R$ 50.000,00 x 12 meses é igual a R$ 600.000,00 (mais de meio milhão). Vamos ver isso em dez anos: R$ 600.000,00 x 10 anos é igual a R$ 6.000.000,00. Vergonhoso não é? Seria mais barato desapropriar aquele imóvel abandonado. Olha o que estão fazendo com o nosso dinheiro: estão tirando dos nossos bolsos (pois pagamos impostos, IPTU, ISS, por exemplo) e o dinheiro vai para a "realeza" do donos do Palácio das Artes que não é nosso, não é da Prefeitura, mas é de um particular que estava contando o dinheiro enquanto os trouxas participavam da sua inauguração.

Agora, abaixo, o lixão "patente da PG" no local. Pois é leitores! Construir palácios, mercado do peixe, cartódromo, etc., o nosso construtor que tem uma construtora é bom, mas fazer o serviço de prefeito é que deixa a desejar. Por isso que sou contra empresários na política. Eles não conseguem separar as coisas. É um pé na empresa e outro na política. Não dando focar o interesse do povo, eles dividem com suas empresas suas atenções e o que temos é isso aí que todos podem ver.


2 de setembro de 2008

Ciclovia da Via Expresso Sul (Mal Feita)

Há um bom tempo eu queria falar sobre isso mas não me sobrava tempo para tirar essas fotos que estava querendo. Aproveitando a minha ida ao "Palácio das Artes", documentei um problema de concepção da ciclovia (na verdade não é um, são muitos como já noticiei aqui). Quando o cidadão que vem pela ciclovia da Expresso Sul e chega nesse ponto do Tude Bastos, ele dá de frente para a Av. Ayrton Senna. Nesse local, nesse fim-da-linha para o ciclista, não tem semáforo, não tem faixa de segurança, não tem passarela, só tem a morte lhe esperando. O pior é que essa ciclovia é usada por muita gente, principalmente trabalhadores e clientes dos estabelecimentos nesta avenida. É uma coisa incrível, medonha, tétrica, quando se vê mães carregando filhos naquelas bicicletas com cadeirinhas tentando atravessar no meio de caminhões, ônibus, carros. Para mim essa ciclovia, como tudo que se faz em Praia Grande, é para alavancar a imagem pessoal de alguns, mas as obras não têm a funcionalidade que deveriam ter (minha opinião). Em se tratando da ciclovia, no caso dessa da Expresso Sul, os acessos à essa ciclovia não existem a menos que você pedale no meio da rua até chegar a uma ponte de acesso que a Expresso Sul tem e então fazer o acesso. Se você vem de uma rua que fica no meio da ciclovia, ou você sobe na guia ou você tem que fazer o que disse acima. Quando a mídia fala quem tem ciclovia em Praia Grande, o leitor não tem a informação correta pois toda a ciclovia não foi projetada corretamente (minha opinião). Depois, de construída, depois de ter saído na imprensa, nada mais se faz para conservar o que existe. Como já mostrei aqui e como venho mostrando, a cara-de-pau não tem limites e querem que todos se danem! Muito do que mostrei há quase um ano atrás está do mesmo jeito.

28 de agosto de 2008

Esclarecimento sobre as Cabeças


PROCESSO: 10866/06
CONTRATO Nº.: 146/06
FORNECEDOR: GILMAR GOMES PINNA
CPF: 801.437.258-15
SECRETARIA: SECULT
MODALIDADE: INEXIGIBILIDADE
DOTAÇÃO: 16.02.00/13.392.3002.2092/4.4.90.52.18 - DESP. 331
VALOR: R$ 270.000,00
PRAZO: ATÉ 31/01/2007
OBJETO: FORNECIMENTO DE 09 (NOVE) ESCULTURAS, NA CONFORMIDADE DA PROPOSTA, CARACTERISTICAS TÉCNICAS E ESPECIFICAÇÕES CONTIDAS NO MEMORIAL DESCRITIVO E CONSTRUTIVO E DECLARAÇÃO DE EXCLUSIVIDADE APRESENTADOS
DATA ASSINATURA: 10/10/2006
DATA PUBLICAÇÃO: 18/10/2006


Graças à ajuda dos usuários que participam assiduamente deste Blog, fica esclarecido que as 9 cabeças foram compradas pelo valor de R$ 30.000,00 cada totalizando então R$ 270.000,00. É importante ressaltar a enorme quantidade de compras sem inexigilidade de licitação. Diante deste exclarecimento, fica a cargo do eleitor de Praia Grande julgar se o investimento em estátuas beneficiou a si ou a sua família, ou... não.

23 de agosto de 2008

Palácio "Palhaçada" das Artes

Antes de lerem o que tenho a dizer, peço que leiam a notícia oficial - do site da Prefeitura - sobre o "Palácio das Artes". Clique aqui.

Que coisa maravilhosa, você não acha? Não? Eu também não achei nada engraçado com o que estão fazendo com o dinheiro público. Dinheiro meu, seu, do morador ou do veranista, dinheiro que pagamos com nosso suor para financiar isso? O que leva alguém pegar o dinheiro público e colocá-lo num lugar como esse que era (ou tentou) ser um material de construção? Aliás, na notícia do site que você leu, percebe-se que não falam quanto está custando essa reforma, e o principal, que estamos levantado aqui no Blog: esse prédio foi adquirido pela Prefeitura ou é mais um imóvel alugado nessa cidade virtual chamada Praia Grande? Quanto está saindo tudo isso para o contribuinte? Quem é o dono desse prédio? Há de haver transparência por parte do poder municipal pois tal princípio constitucional não é como as leis que não pegam no Brasil.

Trata-se de um lugar horrível para estacionar, para chegar, para atravessar. Esse é um daqueles prédios amaldiçoados que nada que se fazia nele ia para frente. Então, com a ajudinha da Prefeitura, tudo se resolveu e o dinheiro outrora perdido para o seu dono agora virou lucro.

É importante lembrar que esse local é um local fedido que cheira a cadáver pois tem um matadouro bem próximo. As pessoas quando passam por ali também tampam seus narizes.

Vejam mais uma das estátuas. Existem duas. Enquanto isso o contribuinte de Praia Grande é tratado como um desgraçado por onde quer que passa ou vá. Os exemplos que publico aqui são evidentes. Na chuva ou no sol de rachar, o praiagrandense sofre nos pontos de ônibus sem abrigo. Ruas esburacadas. Calçadas desniveladas numa cidade abandonada onde a lei fecha os olhos para a ordem e o efetivo progresso que deveria proporcionar à sua população.

Penso no significado de palácio que lembra a nobreza. Ora, que falta de conhecimento chamar aquela coisa de palácio. Algum rei, magnata, iria construir um palácio ao lado de um matadouro? Mas se fosse só esse o mau exemplo... Aqui perto, em Ocian, inauguraram o "Mercado do Peixe" que nada mais é do que sete boxes que não chega aos pés da peixaria que tem no Supermercado Extra. Parece que acham que somos débeis mentais ao colocar nomes que não condizem com a realidade. Coisa de terceiro mundo mesmo.

As vezes dá raiva de ser um pouco mais informado pois viver em Praia Grande é como viver numa "republiqueta bananeira". Falando de Banana existe um filme que espelha nossa cidade e nossos políticos e vocês deveriam vê-lo. Chama-se Bananas que foi dirigido por Woody Allen.

Percebam como funciona a cabeça de nossos dirigentes. Cuidar das necessidades do dia-a-dia do povo como limpar córregos, desentupir bueiros, fechar buracos, consertar calçadas, limpar praças, arrumar bancos danificados e asfaltar ruas, sai na imprensa? Não! Se não vai aparecer na TV então isso não interessa. Inaugurar um prédio chamado de "Palácio das Artes" sai na imprensa? Com toda certeza sai. Então dane-se o povo e que venha a inauguração. Prestem a atenção no que vai acontecer nesse mês de setembro que está programado o término desse elefante branco.

E assim caminha Praia Grande. Há mais de quatro meses venho denunciando aqui o que está ocorrendo na Av. Nossa Senhora de Fátima, no Caiçara. Uma construtora está rebaixando o lençol freático para construir um prédio. Está jogando a água salobra na galeria de água pluvial que por sua vez está entupida e como conseqüência toda a água está se esparramando pela rua da praia - Av. Castelo Branco. Passei semana passada nesse local e constatei que não fizeram nada!