28 de janeiro de 2009

Procura-se um Culpado


O que acontece quando inexiste a presença do poder público? Imagine uma cidade largada a deus-dará onde não há ordem. Ordem segundo o dicionário Michaelis significa:

or.dem
s. f. 1. Boa disposição das coisas, cada uma no lugar que lhe corresponde; disposição das coisas cujo arranjo se subordina a um princípio útil, agradável ou harmonioso. 2. Lugar ou categoria que ocupam entre si as pessoas ou as obras. 3. Natureza, modo de ser, espécie. 4. Série. 5. Classe ou hierarquia de cidadãos. 6. Maneira, modo, disposição. 7. Espécie de classe de honra instituída por um soberano ou autoridade suprema para recompensar o mérito pessoal.

Existe ordem onde moramos? Eu acho que não. Várias publicações pagas, exposições na TV pagas, não vão demover a bagunça que é isto aqui e muito menos apagar a culpa daqueles que dirigem esta cidade. Seria ótimo se todo governante contasse com um povo estúpido para crer em palavras e publicidade (e notícia paga ou silêncio pago tácitamente...). Mas assim que o popular desliga a televisão, fecha o jornal e sai de casa, ele vai se deparar com a realidade cruel do local onde vive.

Vamos culpar os turistas pelas mazelas de nossa cidade?
Vamos culpar os cães por sujar a cidade?
Vamos culpar São Pedro pelas enxentes?
Vamos culpar os mosquitos pelas doenças?
Vamos culpar os bandidos pela violência?
Vamos culpar a SABESP pelos buracos?
Vamos culpar o solo pelas depressões?

Quando há ordem, o poder público exerce sua função plena de zelar pelos interesses de sua população. Numa prefeitura que há ordem, não se espera o problema acontecer para depois resolver, mas se antecipar de forma que não deixe os problemas acontecer. E quando necessário, usar todos os recursos da administração pública, principalmente o seu corpo jurídico para estabelecer a ordem que todos a aspiram.

Mas neste país chamado Brasil, muitas vezes nos deparamos com situações onde o poder público abre mão do interesse público e passa a atuar pelo interesse particular. É o caso de superfaturar obras, realizar licitações direcionadas, praticar o nepotismo (emprego de parentes e amigos), favorecer amigos e prejudicar adiversários. Na minha opinião, parodiando o título do livro Versos Satânicos de Salman Rushdie, um governo que faz isso é um governo satânico que vive de praticar o mal. A população tem que ter isso em mente quando um governo utliza as verbas públicas para o mal e a partir do momento que nos beneficiamos com isso ou mesmo não fazemos nada quando sabemos, também estamos praticando o mal e prejudicando toda a população de uma cidade, ou seja, se todos pagam impostos, o poder público então não pode direcionar esses recursos dos impostos para beneficiar a quem é sua contra-parte, seja na politica ou na corrupção.

3 comentários:

Anônimo disse...

Vivemos em uma cidade cujo prfeito nos últimos 08 anos não fez outra coisa senão ser prefeito da cidade, e isso todos sabem.
Seria difícil, senão impossível, ser prefeito da cidade e conciliar isso com uma vida de empresário.
Ora, quem conhece Praia Grande e sabe que era o prefeito, percebe que houve mudanças na cidade, claro que sim, mas e uma pessoa que vive de um salário de R$ 12.000,00, que, diga-se, é um salário que pode propiciar uma vida digna, consegue, nesses 08 anos construir uma mansão em campos do jordão, alugar um hotel para abrigar os hospédes no seu aniversário, comprar terrenos e mais terrenos naquela cidade, comprar terrenos e mais terrenos na cidade de Maresias, enfim, acumular um patrimônio que ele nunca conseguiu quando se dedicava unica e exclusivamente às atividades de empresário.
Bom, o povo não pode mais tolerar o "rouba mas faz" como vem tolerando, como o fez quando elegeu o sucessor desse ex-prefeito.
A prefeitura Municipal virou uma verdadeira feira, pois lá tudo se negocia, desde cargos, verbas de representação, licitações etc.
É preciso dar um basta a isso e a melhor ferramenta que temos para isso é o nosso voto, que o povo desperdiçou vendendo-o, como pode ser notado nas inúmeras denúncias de compra de votos que tívemos nesta eleição. E quem conhece a política de Praia Grande sabe que isso não é novidade nenhuma, pois há muito vereadores se elegem apenas por comprar votos, e há muito que uma única empresa vence todas as principais licitações da cidade, e há muito que prédios são alugados "a peso de ouro" pela Prefeitura, sendo seus proprietários pessoas ligadas ao ex-prefeito.
Franz, continue seu trabalho que quem sabe através da informação possámos mudar nossa cidade. Obrigado!

Franz Josef Hildinger disse...

Essa história de enriquecimento, talvez ilícito, é comentado pelos quatro cantos da cidade quando não em cidades vizinhas. É incrível que todos contam a mesma coisa sobre casas, carros, até tráfico de drogas, etc. Deve ser apenas boatos porque do jeito que a Polícia Federal investiga até pensamentos de corruptos, se fosse verdade, essa gente já estaria preza.

Anônimo disse...

Franz,

Não conte muito com isso! Realmente a polícia federal vem dando exemplos no combate a corrupção, mas isso não é tão generalizado assim. veja que policiais federais de santos foram afastados pois, supostamente, teriam montado inquéritos falsos para incriminar um fiscal, só para beneficiarem o Banqueiro Daniel Dantas, pois esse fiscal estaria autuando empresas ligadas a ele.
A história da corrupção é fácil de comprovar pelo número de imóveis que o prefeito adquiriu nos últimos anos.
E olha que a grande maoria nem no nome dele está!
Mas quem sabe uma operação vinda de SP não possa pegar muita gente na Praia Grande!