6 de maio de 2009

Voto de rico e voto de pobre



Voltei ao corredor do lixo na Vila Sônia e Vila Antártica para ver se a Administração fez alguma coisa. Como vocês verão, ninguém fez nada e tudo está muito pior. No vídeo eu discuto com vocês o problema da doação para campanhas.

20 comentários:

Anônimo disse...

Como nessa prefeitura tudo cheira mal (acho que não é só na Cebomar que defiam dar um jeito), gostaria de um esclarecimento:
A ONG MISSÃO PLANTANDO A SEMENTE tem como presidenta a senhora Catarina A. Vitti Simões e vem recebendo verbas públicas e privadas (Dá Termaq, inclusive. Isso já cheira mal).

Alguém sabe dizer se a dita senhora por acaso é parente do Senhor Ramiro Simões, quem foi ou ainda é secretário municipal?
Se sim, está explicado porque tá recebendo verbas públicas.

EXTRATO DE CONVÊNIO
MUNICÍPIO: PREFEITURA DA ESTÂNCIA BALNEÁRIA DE PRAIA GRANDE;
CMDCA: CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE;
ENTIDADE BENEFICIADA:
MISSÃO PLANTANDO A SEMENTE; OBJETO: Termo de Convênio que tem por objetivo estabelecer os procedimentos para concessão de auxílio financeiro do MUNICÍPIO, aprovado pelo CMDCA, para a ENTIDADE BENEFICIADA, através de recursos que constituem o Fundo Municipal dos Direitos da Criança
e do Adolescente, desde então denominado FMDCA;
VALOR: R$ 35.000,00;
PRAZO: 05 meses;
DATA DA ASSINATURA: 24/04/09; PROCESSO: 8.921/09.

Gabriel França Siqueira disse...

LEIAM ISSO!!
http://atribunadigital.globo.com/bn_conteudo.asp?cod=411574&opr=104


Pedetista admite esquema de compra de votos na eleição de 2008

Agência Estado



O presidente do PDT da Praia Grande, José Ronaldo Alves de Sales admitiu ter participado de esquema de compra de votos nas eleições municipais de outubro que elegeram o prefeito Roberto Francisco dos Santos (PSDB), cuja campanha coordenou. Sales afirma que decidiu denunciar o esquema ao Ministério Público porque cansou de ser acusado pelos parceiros de campanha de que teria se apropriado de R$ 50 mil destinados à compra de eleitores, bem como do fato de o PSDB não ter designado uma secretaria ao PDT, como lhe fora prometido.

Sales se dirigiu ao Ministério Público Estadual (MPE) ontem, dez dias depois de a Polícia Civil ter instaurado inquérito para investigar a colocação de uma escuta telefônica no gabinete do prefeito. O pedetista afirma que relatou todo o esquema à promotora Ana Maria Molinari, que disponibilizou escolta para protegê-lo. De acordo com a assessoria de imprensa do MPE, a procuradoria vai instaurar procedimento para apurar compra de votos.

Entre os participantes do esquema, além do prefeito eleito, Sales cita o ex-prefeito Alberto Mourão (PSDB), o candidato a vereador André Yamauti (PPS) e o empresário Édis Vedovatti, proprietário da DNA Alumínio. "Na madrugada de sábado (véspera das eleições), eu fui na DNA e peguei R$ 80 mil em dinheiro, dentro de envelopes, e fui entregar para os coordenadores que fariam o pagamento no domingo para a compra de votos", explica Sales, afirmando que havia 30 coordenadores recrutados por ele mesmo e que cada um deles possuía listagem com cerca de 40 nomes de eleitores que receberiam R$ 50 para votar na dobradinha Roberto Francisco/André Yamauti. Roberto Francisco foi eleito, porém Yamauti, que tentava a reeleição, não foi eleito por uma diferença de 60 votos.

Segundo Sales, a sua revolta foi ter sido acusado de ter recebido R$ 130 mil e distribuído apenas R$ 80 mil. "O Roberto Francisco, depois de eleito, veio me dizer que ele tinha dado R$ 50 mil para o André. Na minha mão, no processo de compra de voto entre Roberto e André chegou R$ 80 mil cadastrados em listagem", afirmou, completando que está resguardado de provas e possui as listas dos coordenadores da campanha.

"Mesmo sabendo que tem uma parte de culpa minha nesse processo que intermediei a compra de voto, eu montei tudo isso porque houve essa acusação de que eu fiquei com esse valor, de que usei esse dinheiro a meu favor, e não fiz isso. Eu acho que falar a verdade não merece castigo e se eu tiver que pagar por alguma coisa, estou à disposição da Justiça", completou.

A assessoria de imprensa da Prefeitura de Praia Grande afirma que o prefeito Roberto Francisco não havia recebido nenhuma comunicação da Promotoria Pública sobre a denúncia até a tarde de hoje e por isso não se manifestaria respeito da mesma. Contudo, divulgou que quanto a esta e a outras denúncias sobre possível compra de votos, o prefeito Roberto Francisco está "tranquilo e confia na Justiça, tanto na apuração dos fatos quanto na verificação das provas que, certamente, ao final, demonstrarão suas fragilidades e inconsistência".

O empresário Édis Vedovatti afirmou que está com a consciência tranquila e que "acima de tudo existe Deus". "Eu fiz um trabalho muito forte em favor da campanha do Roberto Francisco sim, em continuidade ao progresso, e isso incomodou muita gente. Mas nunca existiu compra de voto, isso é coisa da oposição. A Justiça vai provar quem está certo", completou.

Franz Josef Hildinger disse...

Que coincidência. Falei justamente disso no vídeo dessa reportagem que gravei sábado dia 02/05. Acho que terei que fazer uma retificação porque eu disse "suposta" compra de votos e na verdade esse suposta não existe, compraram mesmo! É tanto dinheiro que rola que está todo mundo querendo meter a mão no dinheiro público, arrancado de nós através de impostos escorchantes! E que essas empresas que participaram desse conluio contra o povo sejam exemplarmente banidas e seus donos recolhidos à carceragem o mais rápido possível pois soltos são um perigo à sociedade.

Anônimo disse...

É vamos ver se o Minisério Público realmente vai apurar, ou se será mais um caso arquivado por falta de provas e pelo fato não abalar o pleito, pois aqui na Praia Grande vale tudo, em outros municípios do Brasil, por muito menos foi cancelada várias eleições e impugnado a candidatura de prefeito e vereadores. Como no caso do Morro Santa Tereza, a Polícia Federal afirmou que existia a quadrilha e quem era os cabeças, foi exposto no jornal nacional,até hoje não deu nada para ninguém, o que será que aconteceu??? Será que a Rede Globo é que estava mentindo ou a Polícia Federal?? Pois o comentário é que todo o processo ocorrido estava de acordo com as leis!!! Porque a Receita Federal não investiga como a Construtora Mourão está mandando verbas para Portugal, pois lá existe um mega empreendimento desta construtora, será que dinheiro emviado foi declarado junto ao fisco??? Investigaram as contas em paraísos fiscais do Dr. Paulo Salim Maluf, poque não investigam as declarações do Sr. Alberto Pereira Mourão e da sua Construtora, aqui no Brasil e em Portugal??

Anônimo disse...

Bom acho que agora não dá mais para dar desculpas, está comprovado que houve fraudes na Eleição de Praia Grande, o correto por parte da justiça eleitoral, seria caçar o candidato denunciado e fazer nova eleição. Vamos ver se realmente a justiça é aplicada de forma correta??

Anônimo disse...

Vamos fazer umas contas:
Roberto Francisco teve um total de 57.029 votos, o outro candidato Cunha obteve 53.475 votos, ou seja uma diferença de 3.554 votos. Se apenas um coordenador recebeu R$ 130.000,00 para compra de votos (conforme conta na reportagem)daria para comprar 2.600 votos a R$ 50,00 cada voto comprado, então para comprar a diferença que faltava ou seja 954 votos a R$ 50,00 cada voto, seria necessário mais R$ 47.700,00 então vamos analisar, para quem deu R$ 130.000,00 para um coordenado, dar mais R$ 47.700,00 não seria nenhuma dificuldade. Então MPE veja quantos coordenadores tinham na campanha do Roberto Francisco e é só fazer contas, ou seja R$ 130.000,00 ou R$ 80.000,00 para cada coordenador e ver quantos votos eles podeiam comprar, conclusão o candidato não eleito Alexandre Cunha realmente ganhou a eleição de Praia Grande com uma enorme vantagem de votos, os eleitores de Praia Grande mais uma vez foi enganado pelo esquema Mourão e companhia, acho que desta vez o teto caiu.
Se analizarmos outro fato, o candidato Roberto Francisco obteve mais votos entre a prefeitura e o bairro de Solemar, porém é justamente nesta região em que a administração do Sr. Alberto Pereira Mourão fez pelos bairros, fez pior ainda desativou o único pronto socorro que havia nesta região (Vila caiçara), quer dizer, onde ele não fez nada é que obtiveram mais votos??? será que os eleitores são tão ingenuos ao ponto de votarem em alguem indicado por uma pessoa que não fez nada pelos bairros e contribuintes?? E justamente nesta região que a administração do Sr. Alberto Pereira Mourão teve mais rejeição por parte dos eleitores, isto comprovado durante campanha eleitoral, o povo queria ver o diabo na frente e não queriam ver niguém da parte do Mourão. Portanto MPE tire sua conclusão quanto a idoneidade das eleições de 2008 em Praia Grande. Ajude o contribuinte de Praia Grande a FAZER JUSTIÇA. Vamos tirar a cambada da administração municipal, cambada esta que nos deixou apenas o IPTU mais alto do Brasil, será que a renda per capita do cidadão praiagrandense é compatível com o valor do IPTU cobrado, esta é a herença deixada pelo Iperador de Praia Grande : ALBERTO PEREIRA MOURÃO.
Deus existe e fará justiça, cadeia neles!!!!

Anônimo disse...

Domingo, 10 de Maio de 2009, 07:05
Mourão nega esquema com votos
Da Redação
O ex-prefeito de Praia Grande Alberto Mourão (PSDB) negou, ontem, a acusação de que teria participado de um suposto esquema de compra de votos nas eleições municipais do ano passado. A denúncia foi feita ao Ministério Público (MP), na última sextafeira, pelo presidente do PDT praiagrandense, José Ronaldo Alves de Sales, que coordenou a campanha do atual prefeito, Roberto Francisco do Santos (PSDB).
É lógico que o Mourão vai negar, só um imbecil iria confirmar que ajudou no esquema de compra de votos e isto ele não é, foi um prefeito que põe o Sr. Paulo Salim Maluf no bolso em termos de malandragem política, agora cabe a justiça acreditar em contos de fadas.

Anônimo disse...

Estão cassando os pilantras, aguarde a sua vez Praia Grande.


357 políticos eleitos em 2008 foram cassados por compra de votos

6/5/2009 18:24:27

Um levantamento divulgado nesta quarta-feira (6) pelo Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE) aponta que 357 candidatos eleitos em 2008 já tiveram os mandatos cassados por compra de votos. Segundo a pesquisa, desde as eleições de outubro, já foram cassados 119 vereadores e 238 prefeitos e vice-prefeitos.

Segundo o MCCE, o número de cassações deve aumentar nos próximos meses, pois a Justiça Eleitoral já condenou um total de 207 vereadores e 460 prefeitos e vice-prefeitos. Uma parte deles, porém, continua no cargo, pois ainda cabem recursos contra as decisões.

A Corregedoria-Geral do TSE possui outros 4 mil processos relacionados à corrupção eleitoral ainda pendentes de conclusão, sendo que 3.124 se referem à compra de votos no pleito de 2008. Segundo a pesquisa, desde 2000 já foram cassados no país 667 prefeitos, vices e vereadores.

Em comparação com as eleições municipais de 2004, a quantidade de vereadores eleitos no ano passado que perderam o cargo saltou em mais de 60%. Foram 73 cassações em 2004, contra 119 em 2008. Entre essas, a maior parte se refere a políticos do Nordeste - 50 casos.

A pesquisa, realizada com base em dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), foi feita entre os dias 10 e 20 de março, abrangendo 2.503 zonas, o equivalente a 83,7% dos colégios eleitorais do país.

Para o juiz Márlon Reis, representante da Associação Brasileira de Magistrados, Procuradores e Promotores Eleitorais (Abramppe), o aumento na quantidade de cassações se deve à maior aplicação da Lei 9.480, criada em 1999 a partir de uma iniciativa popular.

A norma combate a compra de votos e o uso eleitoral da máquina administrativa. Com mais de um milhão de assinaturas colhidas, a Lei 9.480 foi a primeira legislação de iniciativa popular editada no Brasil. O MCCE é composto por 40 entidades da sociedade civil, movimentos e igrejas.

As informações são do G1

gabriel disse...

e naum se eskecam d q pra reverter essa diferença d 3500 votos naum precisavam comprar 3500 pessoas... supondo-se q esses fossem eleitores do candidato derrotado, se vc tirar apenas 1750 do cunha e passar pro roberto vc ja tem essa diferença... o dinheiro era mais doq suficiente

Anônimo disse...

A caçada aos políticos desonestos vai começar.

ASS : VAN HELSING o caçador de políticos corruptos

Anônimo disse...

É durante a campanha o Mourão falou aos seus, que ficava pobre mas não perdia a eleição. Falou a verdade, pois utilizou de todos os artifícios para ganhar o pleito. Saiu perdendo o município de Praia Grande que perdeu um grande administrador, uma pessoa que se preparou para ser prefeito de uma cidade, estou falando de Alexandre Cunha, e não de Roberto Francisco que foi imposto para exercer esta atividade sem nunca ter executado qualquer cargo político, apenas apareceu para segurar as broncas deixadas pelo seu antecessor.

Anônimo disse...

olha, tbm queria ver esse Mourão perder o reinado. Queria ver como ele faria pra manter a casa ais bela de Campo do Jordão que ele construiu toda revestida de mérmore. Bom, pelo menos lá o IPTU é barato.
Mas dizer que o Cunha é uma pessoa preparada é querer tapar o sol com a peneira. A diferença entre um e outro é que um já tinha todo um esquema de desvio de verbas preparado, o outro não!
Vamos esperar, mas ecredito que isso vai dar numa bela pizza. Mas como o Mourão é lusitano, a pizza deve ser de bacalhau, regada a um belo e caro vinho do porto!

Franz Josef Hildinger disse...

Tenho uma dúvida a respeito deste episódio da compra de votos. Como parece que agora as provas são cabais, o que vai acontecer? Serão feitas novas eleições ou assumirá o Cunha?

Anônimo disse...

franz,

Caso a compra de voto tenha ocorrido apenas por parte do prefeito, o segundo colocado assume. No caso da compra de votos feita por vereador, esses votos devem ser excluídos do cálculo (mas na verdade, a compra de votos na PG é generalizada).
No entanto, em matéria de Direito Eleitoral, todos os recursos têm efeito suspensivo. Ou seja, ainda que o Juiz Eleitoral imponha a cassação do mandato do prefeito, sempre que ele recorrer, continuará no cargo.
Resumindo, normalmente o que acontece é que a mandato termina antes do processo.
E o que o Mourão quer é que o Roberto faça um péssimo governo, cheio de maracutais, corrupção etc, para que depois ele volte triunfante pelos braços do povo.

Diego Mancuzo disse...

Realmente triste, muito triste. Seja verdade ou não (cabe à justiça esclarecer, não somos promotores nem juízes para acusar e condenar antes do fim do inquérito), quem sai perdendo sempre é Praia Grande, uma cidade linda mas que, dia após dia, tem seu nome envolvido em notícias nojentas como essa. A base governista ja não é de muita garantia e, além disso, temos uma pequena oposição que não vale nem para ser oposição em cidade da roça, de tão cretina que é, e nesse jogo sujo político, mais uma vez, Praia Grande vai parar na mídia, sendo pichada e esculhambada.
Eu nasci aqui,amo essa cidade e nem tenho intenção de abandoná-la, mas dói no coração, no meu e no de qualquer um que ama a cidade, presenciar mais essa acusação.
É de se analisar também que o cidadão que está acusando não tem a menor moral para gritar muita coisa, afinal, é réu confesso, ja admitiu que intermediou as negociações sujas e só denunciou porque não teve seu cargo de secretário municipal, como diz reportagem de A Tribuna, ou seja, após denúncias comprovadas, ele também deve ser punido, junto com todos os outros envolvidos. Agora é estranho um cara ficar responsável por um "serviço" dessa "importância" e logo após a eleição, dizer que foi tratado como bandido por quem lhe financiou, é meio ilógico o cara que tem o esquema na mão,que pode arrebentar com tudo, ser tratado dessa forma pelo prefeito ou por quem quer la que seja. Políticos não costumam agir dessa forma com seus cúmplices, todo mundo sabe disso. Por isso mesmo o MP e a PF tem que investigar a fundo as denúncias, banir os culpados da vida pública,(isso vem acontecendo em algumas cidades), e começar a limpar, de uma vez por todas, o nome de Praia Grande desse lamaçal todo. A cidade não merece nada disso.

Abraços
Diego Mancuzo

Anônimo disse...

Caro Diego Mancuzo, vc fala que a aposição é cretina e também não seria o ideal para Praia Grande, vc sendo uma pessoa tão bem esclarecida fale em um nome de nossa cidade que teria competência e seria talvez o mais indicado para exercer este cargo político. As pesooas criticam a oposição, só que ninguem tem coragem de sair para candidato ao cargo de prefeito e enfrentar a situação, inclusive denunciando e entrando com processos no MP, acho, caro amigo que vc deve rever seus pensamentos antes de expor o que vem na sua cabeça, da a impressção que vc é mais um baba ovo do Imperador Mourão e comaphia!!!!

Diego Mancuzo disse...

Olha, realmente só queria dizer ao caro anônimo, que eu não sou baba ovo de imperador nenhum (apelido que você usou), não defendo ninguém, porém, não sou leviano, não acuso ninguém sem provas, quem acusou é quem deve provar.Sobre minha opinião a respeito da "oposição" em Praia Grande, continua a mesma, até hoje não vi um que não participasse do jogo,apenas quando não são escolhidos para disputar eleição, saem se dizendo combatentes a Mourão ou a quem quer que seja, também isso não importa, meu comentário não foi em defesa de ninguém, foi em defesa de algo,(PRAIA GRANDE). Ao contrário de você e de muitos outros, caro anônimo, que não se importam com a cidade, eu me importo e amo,por isso não quero saber de jogo político, até porque não sou político, nem tenho cargo de confiança na prefeitura, quero apenas saber é da cidade, do mal que esse lamaçal todo faz á ela.
Vejo pessoas que nunca nem estiveram aqui, falando que nossa cidade é um lixo, esculachando a cidade de todas as formas. Só desejo, de coração, que as acusações sejam provadas ou não, o mais rápido possível, culpados punidos e fim de papo, para que aos poucos, a gente consiga limpar o nome de Praia Grande.(entenda-se aqueles que, indepentente de politicagem, amam a cidade e estão pouco se lichando para Mourão, oposição ou quem quer que seja).
Não me entenda mal por minhas opiniões, afinal elas são minhas mesmo, e não tem poder para mudar quase nada, apenas pense antes de chamar alguém de baba ovo, de alguém que ele nem conhece pessoalmente,rsrsrs. Comigo não tem essa, baba ovo é pra gente sem informação, coisa que eu não sou. De qualquer forma, abraços e boa sorte pra Praia Grande, porque com tanta porcaria acontecendo, essa é umas das poucas coisas que restam à ela.

Anônimo disse...

O Cunha ficou ao lado do Mourao durante 12 anos...12 anos!! se o Mourao nao presta o cunha tbm não...e pra mim essa patológica ambição do Cunha nada mais é do que para almejar o poder, o poder que todos os politicos sonham em ter.

Franz Josef Hildinger disse...

Eu também sou cético quanto ao Cunha. Quanto ao Mourão e Cássio, eu tenho consciência formada e por isso não voto e jamais votarei neles.

Anônimo disse...

E muito importante e fico feliz ao ler todas as opinioes, significa que nada ainda esta perdido, vou deixar o meu depoimento mas um depoimento de quem trabalhou 20 anos na prefeitura e camara, O que existe hoje e um cara que reunio todas as lideranças politicas da cidade e subornou a todos, a camara e comprada eles tem uma mesada todo mes, todas as licitaçoes são forjadas e isso a anos, vem dai a fortuna desse cidadão, e besteira confiar na justiça ela simplesmente não existe, como não ha fiscalização por parte dos vereadores são todos corruptos, Emfim uma mafia se instalou nessa cidade, E vai ser muito dificil tiralos de la, porque eles sabem quem comprar, Pobre povo Praiagrandense.